CIASC trabalha para garantir que servidores estaduais tenham acesso remoto aos sistemas e bases de dados do governo

Uma força tarefa foi montada no órgão para viabilizar que os servidores públicos possam trabalhar remotamente durante o período de enfrentamento do coronavírus

Diante da pandemia do coronavírus, o governo de Santa Catarina está tomando uma série de medidas para minimizar a transmissão do vírus e os impactos dele na saúde pública. Uma delas foi um decreto, publicado na última segunda-feira no Diário Oficial do Estado, que suspende por 30 dias o atendimento presencial ao público nas unidades do Governo em serviços que puderem ser prestados por meio eletrônico ou telefônico. Além disso, o decreto também permite que servidores e militares maiores de 60 anos, portadores de doenças respiratórias crônicas, que morem com idosos com doenças crônicas ou com pessoas que estiveram no exterior nos últimos sete dias, trabalhem em casa em funções determinadas pela chefia imediata.

Para que isso seja possível, o CIASC, Centro de Informática e Automação de Santa Catarina, está trabalhando para garantir que os servidores tenham acesso remoto aos dados que costumam acessar nos computadores dos órgãos públicos. “Montamos uma força tarefa para cadastrar uma série de servidores que passarão a ter acesso aos serviços de VPN, Virtual Private Network, ou Rede Virtual Privada. Isso significa que eles conseguirão se conectar à rede de computadores interna do órgão onde trabalham, mesmo estando longe”, explica do vice-presidente de tecnologia do CIASC, Luis Haroldo de Mattos.

Desde esta quarta-feira, 18 de março, os servidores que se enquadram nos requisitos estabelecidos no decreto do governo já tem todas as condições de dar sequência ao trabalho de maneira remota. “Além disso, estamos preparados para atender às novas demandas do Governo daqui pra frente e garantir esse acesso a outros servidores, de acordo com a necessidade do Governo”, complementa Luis Haroldo.

Os gestores do serviço público do Estado de Santa Catarina conseguem acompanhar em tempo real os acessos dos funcionários que estão fazendo trabalho remoto e que utilizam as cerca de 1250 VPNs que o CIASC disponibilizou até o momento. Esse monitoramento ativo está sendo realizado através de uma ferramenta web de análise e visualização interativa, que disponibiliza gráficos, painéis, tabelas e alertas.

O vice-presidente de tecnologia do Ciasc ressaltou que caso a demanda aumente, o CIASC pode abrir novos servidores com mais capacidade.

Luis Haroldo de Mattos lembra ainda que, mesmo antes da crise do Coronavírus, o Governo do Estado já estava trabalhando para digitalizar as suas operações. Todo o serviço do governo sem papel e serviços de mensageria são exemplos disso. “Entendemos que o Coronavírus vai impulsionar a transformação digital de empresas e governos, em que as interações sociais e as relações comerciais serão cada vez mais digitais”, finaliza.