Mudar para sobreviver: sempre foi sobre as pessoas

Vemos muitos textos e artigos enfatizando a importância das pessoas nos processos organizacionais. Priorizar clientes, valorizar funcionários, conversar, escutar, construir a partir do trabalho coletivo e colaborativo. Mas será que, na prática do dia a dia, as coisas são assim mesmo? O que as empresas têm feito para, de fato, colocar as pessoas no centro dos processos?

A acelerada transformação digital imprimiu o ritmo da mudança e da inovação na cultura organizacional e exigiu que as instituições buscassem formas de se adaptar e sobreviver aos impactos do novo. Compreender o espaço que as pessoas ocupam, o papel que cumprem nessas dinâmicas e a forma de motivá-las em seus trabalhos é imprescindível para a permanência e o crescimento de qualquer organização.

Sabemos que, para além de um discurso consolidado, esses precisam ser valores, propósitos da empresa, concretizados em ações e estratégias que contribuam para mudanças de mindset – que podemos traduzir em expressões como mentalidade, atitude ou programação mental. Dialogar, escutar, produzir e estabelecer rotas em conjunto com o corpo funcional da organização é imprescindível para um processo bem-sucedido de transformação da cultura organizacional. 

Assim como é essencial substituir formatos de trabalho isolado, “cada um na sua caixinha”, com departamentos e funcionários que só dialogam entre si, por ações colaborativas e integradas, em que atuam em conjunto trabalhadores de setores diversos. Compartilhar com as equipes as atividades que estão sendo realizadas pelos membros também é uma maneira de ampliar as possibilidades de colaboração, integração, criação conjunta e trocas de conhecimento, e de trazer benefícios para os resultados da empresa. 

Obviamente, esses processos não são iguais entre as diferentes instituições, tampouco, sua implementação ocorre de forma linear. Segundo pesquisas da empresa de aconselhamento Gartner, houve um aumento nas exigências por novas habilidades dos funcionários nas mesmas funções. Observando dados de 2017 a 2021, o número total de habilidades necessárias para um único trabalho está crescendo 10% ano após ano. Isso aponta para a necessidade de um modelo de capacitação contínua dos trabalhadores, buscando fortalecer as habilidades profissionais que possuem e desenvolver outras.

E como o CIASC se posiciona diante disso?

O Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (CIASC) também vem buscando se adaptar aos novos contextos e desafios produzidos pela aceleração digital. Entre as questões prioritárias, podemos destacar os temas relacionados às pessoas, às mudanças de cultura organizacional, à importância da inovação nos processos de trabalho, à necessidade de motivar os funcionários, incentivar que se desenvolvam cada vez mais, reconhecer as qualidades que possuem e respeitar as dificuldades de cada um e cada uma.

A empresa tem ampliado os investimentos em infraestrutura e novas tecnologias, buscou a consultoria com o Gartner e está implementando o Projeto Agile Learning (aprendizagem ágil), para encontrar novas formas de motivar as pessoas e estabelecer uma proposta de cultura organizacional em que os profissionais aprendem de forma constante e contínua. Atitudes como essas são ainda mais necessárias e exigidas diante do contexto de transformação digital e, no caso do CIASC, também objetivam desenvolver um novo pensar, tanto voltado a estratégias para o futuro da empresa, nos próximos 30 anos por exemplo, quanto considerando o período pós-pandemia e as necessidades da administração pública nesse cenário. 

Conforme o Gartner, o modelo Manifesto Agile Learning preconiza que o aprendizado seja feito em pequenas doses, de forma gradativa. A proposta tem quatro grandes valores, que são:

  • Resultados de negócios sobre o conhecimento adquirido; 
  • Pensamento de crescimento sobre as habilidades atuais; 
  • Treinamento incorporado em tempo real, dentro do horário de trabalho; 
  • Composição de comunidade sobre a prática individual. 

Esses valores precisam ser repassados para toda a organização buscando criar engajamento entre os profissionais dos diversos setores.

Recentemente, o vice-presidente de Tecnologia do CIASC, Luis Haroldo de Mattos, participou da Conferência “Atração e Retenção de Talentos: casos de sucesso em Onboarding e Agile Learning no Brasil”, do Pré-SYM Brasil – Gartner IT Symposium/Xpo 2021. Na ocasião, citou alguns movimentos e iniciativas que o CIASC vem realizando para avançar na referida estratégia. São palestras, webinars e cursos, buscando disseminar uma cultura de aprendizado colaborativo e contínuo dentro da empresa; a realização de reuniões semanais da Diretoria com foco em temas relacionados à mudança na cultura organizacional e à implementação do Agile Learning, convidando todos da empresa para pensar como vai ser o trabalho com a transformação digital; inserção do uso de analytics em todas as entregas transacionais da empresa; e, mesmo internamente, incentivo à tomada de decisões a partir de dados.

Atento às exigências do cenário de aceleração digital e tecnológica, que cobra das pessoas constante processo de aperfeiçoamento de competências, o CIASC tem incentivado e dado as condições para que os funcionários realizem treinamentos e cursos rápidos de capacitação e fortalecimento de habilidades. A partir do acesso a uma plataforma online, os funcionários podem acompanhar cursos e estabelecer trilhas de formação, de forma individual e/ou integrado em equipe.

Os resultados positivos das iniciativas adotadas já estão sendo percebidos nas dinâmicas da empresa, na atuação dos profissionais, nas práticas de aprendizado, qualificação e desenvolvimento de habilidades, nos diferentes setores de trabalho, e, inclusive, no faturamento da empresa.

Referências

Conferência “Atração e Retenção de Talentos: casos de sucesso em Onboarding e Agile Learning no Brasil”, do Pré-SYM Brasil – Gartner IT Symposium/Xpo 2021. 

Palestra online “Agile Learning: Futureproof Employees and the Enterprise”, ministrada pela Executive Partner Director do Gartner, Katia Ceará. 

Changing Behaviors: From Working in Silos to Working Collaboratively. Analista Christie Struckman. Publicado pelo Gartner, em 17/08/2018. (acesso restrito)

———

Tabita Strassburger – Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC), no Programa de Pesquisa e Implantação de Sistema de Inovação do CIASC.