Sustentabilidade e eficiência

Florianópolis  (01/04/2012) Ações para reduzir o impacto ambiental fazem parte da política de governança da maioria das empresas. Por isso, crescem as iniciativas em TI verde, que visam utilizar os recursos de TI de maneira mais eficiente e sustentável, desde a aquisição de produtos, processamento e gerenciamento, até o descarte correto dos materiais ao final de sua vida útil.

 

A adesão à TI verde cresceu 500%, segundo o Estudo de Tendências de Investimento em TI 2011, do Instituto Sem Fronteiras (ISF), realizado com 1.140 empresas brasileiras, entre outubro de 2010 e fevereiro de 2011. Renovação de equipamentos para os que consomem menos energia e uso de virtualização de servidores para reduzir o número de equipamentos – e, consequentemente, o consumo de energia – estão entre as iniciativas em TI verde mais adotadas atualmente. Mas as empresas mais preocupadas com o meio ambiente e a sustentabilidade sabem que TI verde não se trata apenas de reduzir o consumo de energia: também inclui a gestão de recursos e o impacto nas cadeias produtivas.

Essa tendência é reforçada por leis como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, aprovada em agosto de 2010, e normas como a ISO 14001, padrão internacional que defi ne o que deve ser feito para se estabelecer um Sistema de Gestão Ambiental (SGA).
Clientes e consumidores, cada vez mais conscientes, também pressionam as empresas, cobrando ações de sustentabilidade e responsabilidade socioambiental.

No Centro de Informática e Automação de Santa Catarina (Ciasc), o setor de TI utiliza o conceito de redução de consumo de recursos de toda a espécie, não apenas energia e água. “Tentamos melhorar o uso das pessoas também, provendo atividades mais vantajosas para elas e para a empresa, transferindo os riscos de atividades menos lucrativas para terceiros, que podem arcar com mais facilidade e menores custos básicos”, diz Ricardo Bonifácio, Vice-Presidente de Tecnologia do Ciasc.

Entre as iniciativas do Ciasc no campo da tecnologia verde estão redução do número de equipamentos dentro do datacenter, redução do número de cabos em cada rack, otimização do uso do ar-condicionado do datacenter, melhoria dos ambientes de trabalho e descarte por meio de pessoal especializado. “O número atual de servidores chega a mais de 600% do que havia antes, com um consumo reduzido a cerca de 80% do anterior. O número de falhas por excesso de carga de ar-condicionado caiu a zero, sem mudança dos equipamentos. O número de descartes de máquinas, no entanto, aumentou – porém, o estado de Santa Catarina dispõe de associações que beneficiam e reciclam o material e que têm grande interação
local”, afirma Bonifácio.

Soluções de software também podem ser um grande apoio para iniciativas de sustentabilidade. A Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp), por exemplo, está desenvolvendo um aplicativo para gestão do consumo de energia nas estações de trabalho. “Esse aplicativo controla e monitora os computadores, colocando-os em hibernação quando constatada a falta de uso por um determinado período”, explica Maria Clara Tavares Lopes, Assessora de Comunicação da empresa.

Para o negócio da Prodesp, a questão energética é essencial. Por isso, a empresa investiu em um complexo sistema de contingenciamento de energia elétrica, composto por no-breaks, proteções e uma estrutura de geração própria. Esse sistema visa mitigar a chance de problemas ambientais e garantir que os serviços prestados aos clientes e à população não sejam interrompidos. “A nova planta para geração de energia foi elaborada seguindo os mais rigorosos critérios e normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), incluídos também os ambientais. A sala apresenta dispositivos de contenção para o caso de vazamento de combustível, interligados ao sistema de monitoramento 24 horas.
Sendo reabastecido, o conjunto pode operar sem limite de horas. Entre os cuidados ambientais, foram instalados filtros oxicatalizadores para redução de poluentes emitidos pelos geradores, bem como paredes duplas que garantem que o nível de ruído esteja dentro dos limites exigidos pela legislação do silêncio em qualquer horário do dia”, descreve a Assessora.

Por suas ações de sustentabilidade e responsabilidade social e ambiental, o Sistema de Gestão Ambiental da Prodesp recebeu, este ano, a certifi cação ISO 14001. “Os parâmetros ambientais sustentáveis são fontes de inovação na empresa”, reforça Maria Clara.

Fonte: Revita GRC Management